segunda-feira, 31 de março de 2008

MOMENTOS


De todos os momentos da vida os mais preciosos são os desfrutados com amor.
Quando as dificuldades se avolumam, os problemas crescem, os dias solitários chegam, e é maravilhoso ter momentos de muito carinho para serem recordados.
Momentos que recebemos ou que ofertamos. Momentos que nos fazem extremamente felizes. Momentos que, revividos, pelos fios invisíveis do pensamento, ainda nos reconfortam e aquecem o coração.
Por tudo isto, devemos amar muito e deixarmo-nos amar na plenitude por quem nos ama.

ASSIM VAI A JUSTIÇA EM PORTUGAL - O colete era da GNR - Humor e Alcool


Parece uma anedota,mas é a realidade neste nosso País. É o que temos.

FACTOS HISTÓRICOS EM 31 DE MARÇO


1596 - Nasce René Descartes, filósofo francês.
1727 - Morre Isaac Newton, físico e matemático britânico.
1732 - Nasce Franz Joseph Haydn, compositor austríaco.
1811 - Nasce Robert G. Bunsen, químico alemão.
1829 - O cardeal Castiglioni é eleito Papa, com o nome de Pio VIII.
1886 - A esquadra espanhola, comandada por Méndez Núñez, bombardeia a cidade chilena de Valparaíso, em resposta à negativa do Chile se submeter a interrogatórios dos espanhóis.
1903 - Primeira explicação das propriedades do rádio pelo casal Curie na Academia de Ciências de Londres.
1931 - Um terramoto devasta Manágua, capital da Nicarágua, e deixa 1,5 mil mortos e 3 mil feridos.
1933 - O presidente do Uruguai, Gabriel Terra, dá um golpe de Estado e dissolve o Parlamento.
1934 - Nasce Carlo Rubbia, físico italiano, Prémio Nobel de 1984.
1935 - Nasce Richard Chamberlain, actor norte-americano.
1958 - Nikita Kruschev anuncia que a União Soviética decidiu acabar unilateralmente com os seus testes com armas nucleares.
1966 - Termina a visita do arcebispo de Cantuária ao papa Paulo VI em Roma, o que contribui com a aproximação entre as Igrejas Anglicana e Católica.
1979 - Os países árabes declaram um boicote total ao Egipto por ter assinado a paz com Israel.
1983 - Um terramoto destrói 60% da cidade colombiana de Popayán, onde morrem 234 pessoas e cerca de 1,2 mil ficam feridas.
1986 - Um Boeing 727 da Companhia Mexicana de Aviação, com 166 passageiros, explode meia hora após descolar da Cidade do México. Não houve sobreviventes.
1989 - Yasser Arafat é proclamado presidente da Palestina por decisão unânime dos 70 membros do Comité Central da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), reunidos em Tunes.
1990 - Morre Joseph Hirschfelder, cientista norte-americano, um dos "pais" da bomba atómica.
1992 - Bóris Yeltsin assina em Moscovo o Tratado da Federação, com 18 repúblicas russas.

ESCÂNDALO NA ARTE


Atrasado mental que continua a pensar ser artista.
Como sabes e até deves ter protestado, em 2007,Guillermo Vargas Habacuc, é um suposto artista animalesco que colheu um cão abandonado na rua, atou-o a uma corda na parede de uma galeria de arte e ali o deixou morrer lentamente de fome e de sede.
Durante vários dias, tanto o autor de semelhante crueldade, como os visitantes da galeria de arte presenciaram impassíveis à agonia do pobre animal. Até que finalmente, depois de ter passado por um doloroso, absurdo e incompreensível calvário da besta chamado Homem. Se achares por bem empregue consulta os links e tira as tuas conclusões.
[http://img505.imageshack.us/img505/1990/dscn8139vk6.jpg]
[http://img339.imageshack.us/img339/5848/dscn8146pu4.jpg]
[http://img259.imageshack.us/img259/5720/dscn8153yv8.jpg]
[http://img218.imageshack.us/img218/7240/navitividad1cq9.jpg]
[http://img218.imageshack.us/img218/7937/navitividad4so6.jpg]
[http://img218.imageshack.us/img218/5895/perritoho5.jpg]

Parece-te forte?
Mas não é tudo: a prestigiada Bienal Centroamericana de Arte decidiu, que a selvajaria cometida por esta Besta das artes, Guillermo Vargas Habacuc fosse novamente convidado a repetir a sua cruel acção na dita Bienal em 2008, acto este que podemos impedir, colaborando com a indignação, protesto e assinatura nesta petição:

http://www.petitiononline.com/13031953/petition.html

(não tem que se pagar, nem registar) para enviar a petição contra o chamado 'artista' por tão cruel acto, por tão ínfima sensibilidade ao desfrutar em prazer com a dor alheia.

Se puseres o nome do 'artista' no Google, vês as fotos do pobre animal e seguramente aparecerão páginas web onde confirmarás a veracidade da informação.

"Haverá sempre um cão abandonado ou indefeso, que me impedirá de ser feliz..."

DESEJO


Quando amamos libertamo-nos, e é no amor que encontramos vida.

domingo, 30 de março de 2008

FAZER AMOR


Fazer amor requer arte,
Fazer amor transcende-nos de tudo,
Fazer amor requer a alma despida,
Fazer amor transcende a sexualidade,
Fazer amor é ignorar todos os conceitos formais da humanidade,
Fazer amor é algo divino,
algo divino que advém do mais nobre dom da vida, a própria vida.
Fazer amor é enlouquecer a anatomia dos seres, não importando a forma,
porque o importante é não nos importarmos com nada,
a não ser com a felicidade e o bem estar,
Fazer amor é fazer de inconcebíveis palavrões um lindo poema,
Fazer amor é fazer do corpo um banquete de sonhos,
e fazer da alma o berço do prazer.

DIREITOS HUMANOS


sexta-feira, 28 de março de 2008

VIDA SAUDÁVEL É DESEJO DE TODOS

Com a correria do dia-a-dia, vários aspectos são “descuidados”, entre eles a alimentação. Refeições incompletas, ricas em gorduras e açúcar e muito pobres em fibras alimentares, vitaminas e minerais, tornam-se comuns.
Hoje, sabe-se que a alimentação é um factor de extrema importância na protecção da saúde ou, caso seja desequilibrada, pode concorrer para o aparecimento de algumas doenças especialmente das Doenças Cardiovasculares e de algumas formas de cancro.
Por isso, as recomendações para o aumento do consumo de legumes, vegetais e frutos frescos têm vindo a ser um dos “cavalos de batalha” de alguns anos para cá. É que, estudos recentes demonstram que estes alimentos de origem vegetal são afinal, ainda mais importantes, do que se pensava para a manutenção de uma boa saúde.
Apesar de serem muito pobres em gorduras e calorias, são ricos em fibras e outros nutrientes “preciosos” com propriedades antioxidantes. Estes nutrientes, ajudam a fortalecer as nossas defesas contra a deterioração e o envelhecimento celular precoce. Acredita-se que uma alimentação rica em antioxidantes pode mesmo prevenir o aparecimento do cancro e da aterosclerose. estas tão preciosas substâncias são afinal, as vitaminas C e E, o Beta-Caroteno e um mineral chamado selénio. Apesar de existirem outras substâncias com propriedades anti-oxidantes, estas são por agora as mais estudadas.
Legumes, produtos hortícolas, frutos frescos e cereais integrais são uma autêntica fonte de saúde. Habitue-se a não prescindir destes alimentos.
Para facilitar, guie-se por um simples código de cores. Diariamente, assegure que não faltam à sua mesa frutos e produtos hortícolas avermelhados, cor de laranja, roxos e verdes.
Os espinafres, os brócolos, as couves-de-bruxelas, as cenouras, as laranjas, o tomate e o pimento, são alguns exemplos de alimentos ricos em antioxidantes.

E AS GORDURAS?
Como diz o velho ditado “mais vale prevenir que remediar”, o ideal é dar preferência às gorduras insaturadas - óleo de milho, girassol, cártamo ou óleos e margarinas especiais. No grupo das monoinsaturadas, a opção deve ir para o óleo de amendoim e para o azeite. Isto no que diz respeito às gorduras visíveis ou de adição.
Convém, também, não esquecer as escondidas nos alimentos, tais como nas carnes gordas, nos produtos de charcutaria, nos lacticínios, nos bolos, nos chocolates, Cuidado... porque nestes alimentos poderão estar presente em grande quantidade, as gorduras “Más da Fita” - colesterol e gordura saturada.

VAI MAIS UM COPO?
Se for água, beba sem restrições, mas se é maior, não está grávida ou a amamentar e, não consegue passar sem beber um “copito”, beba com muita moderação, sempre às refeições e nunca de estômago vazio.
Ultimamente tem-se vindo a fazer muita referência ao vinho como protector das doenças cardiovasculares.
Com efeito, o vinho em geral, mas principalmente o vinho tinto, contém substâncias antioxidantes. Convém salientar, que tais propriedades não provêm do álcool, mas sim das cascas, grainhas e da pele das uvas, com que o vinho é produzido.
Recomenda-se não ultrapassar 3 dl de vinho por dia, repartidos entre as duas refeições principais. Não esqueça, se ultrapassar esta quantidade, os potenciais efeitos positivos do vinho diminuem drasticamente e, os efeitos negativos são exponenciais. As bebidas destiladas (whisky, aguardente, etc.) contêm grande densidade alcoólica e, por essa razão, devem ser consumidas apenas em dias de festa e, nem em todos.

“UMA BICA, POR FAVOR”
O café é uma bebida muito apreciada entre nós. A cafeína tem um efeito estimulante sobre o nosso organismo. Quando o seu consumo é exagerado, o seu coração começa a bater mais depressa, e a pressão arterial sobe.
Estudos recentes referem que os indivíduos saudáveis habituados a consumir diariamente café podem beber 2 a 3 chávenas sem prejudicar a sua saúde. No entanto, se o consumo for muito elevado, poderá aumentar os níveis de colesterol no sangue, além de outras consequências negativas.
Se é um “viciado” em café e não consegue passar o dia sem beber um número mais que razoável de bicas, opte por substituir algumas delas por descafeinado.
E que tal experimentar o chá. O chá, além de possuir cafeína, tal como o café, contém polifenois, cujas propriedades antioxidantes, em especial as do grupo das catequinas, estão agora a ser descobertas pelos cientistas.
E não se esqueça que para uma vida mais sadia, um dos melhores aliados é o exercício físico. Por isso, seja mais activo. Ande diariamente a pé, opte por subir as escadas em vez de usar o elevador. Diga adeus ao “stress” e quem sabe, a uns quilinhos supérfluos.
Seja “amigo” do seu coração, pratique uma Alimentação Saudável.
(Dra. Alva Seixas Martins/Dra. Helena Fernandes Cid)

ORAÇÃO AO SANTO DA NOSSA DEVOÇÃO


1.Senhor, pelos merecimentos e pela intercessão de vosso servo......................... fazei que estejamos sempre prontos em aprender as verdades da fé e sempre fortes em confessá-las
2.Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo. Assim como era no princípio, agora e sempre. Amém
3.Senhor, pelos merecimentos e pela intercessão de vosso servo ................... conservai a caridade em nossos corações, para que possamos sempre amar-vos sobre todas as coisas, e ao próximo como a nós mesmos.
4.Glória ao Pai...
5.Senhor, pelos merecimentos e pela intercessão de vosso servo.................... fazei que em todas as famílias reine o santo temor de Deus, na observância da vossa lei.
6.Glória ao Pai...
7.Senhor, pelos merecimentos e pela intercessão de vosso servo.................... dai forças à juventude para que vença as insídias do mal e seja sempre mais apóstola da verdade e do bem.
8.Glória ao Pai...
9.Senhor, pelos merecimentos e pela intercessão do vosso servo ................. abençoai os emigrantes em terras estrangeiras e fazei que jamais esqueçam a pátria do céu.
10.Glória ao Pai...
11.Senhor, pelos merecimentos e pela intercessão de vosso servo............. fazei que aos pobres não falte o pão e aos abandonados a compreensão e o afecto.
12.Glória ao Pai...
13.Senhor, pelos merecimentos e pela intercessão de vosso servo...........confortai os nosso doentes, dando-lhes a desejada saúde ou a resignação cristã.
14.Glória ao Pai...

20 REGRAS DE VIDA PARA SE VIVER MELHOR


1.Faça pausas de dez minutos a cada duas horas de trabalho, no máximo. Repita essas pausas na vida diária e pense em você, analisando suas atitudes.
2.Aprenda a dizer "não" sem se sentir culpado ou achar que magoou Querer agradar a todos é um desgaste enorme.
3.Planeje seu dia, sim, mas deixe sempre um bom espaço para o improviso, consciente de que nem tudo depende de você.
4.Concentre-se em apenas uma tarefa de cada vez. Por mais ágeis que sejam os seus quadros mentais, você se exaure.
5.Esqueça, de uma vez por todas, que você é imprescindível. No trabalho, em casa, no grupo habitual. Por mais que isso lhe desagrade, tudo anda sem a sua actuação, a não ser você mesmo.
6.Abra mão de ser o responsável pelo prazer de todos. Não é você a fonte dos desejos, o eterno mestre de cerimónias.
7.Peça ajuda sempre que necessário, tendo o bom senso de pedir às pessoas certas.
8.Diferencie problemas reais de problemas imaginários e elimine-os, porque são pura perda de tempo e ocupam um espaço mental precioso para coisas mais importantes.
9.Tente descobrir o prazer de fatos quotidianos como dormir, comer e tomar banho, sem também achar que é o máximo a se conseguir na vida.
10.Evite se envolver na ansiedade e tensão alheias enquanto ansiedade e tensão. Espere um pouco e depois retome o diálogo, a acção. Os outros estão mais bem preparados para resolver seus próprios problemas.
11.Família não é você, está junto de você, compõe o seu mundo, mas não é a sua própria identidade. Cada um é individual e diferente.
12.Entenda que princípios e convicções fechadas podem ser um grande peso, a trave do movimento e da busca.
13.É preciso ter sempre alguém em que se possa confiar e falar abertamente ao menos num raio de cem quilómetros. Não adianta estar mais longe.
14.Saiba a hora certa de sair de cena, de retirar-se do palco, de deixar a roda. Nunca perca o sentido da importância subtil de uma saída discreta.
15.Não queira saber se falaram mal de você nem se atormente com esse lixo mental; escute o que falaram bem, com reserva analítica, sem qualquer convencimento.
16.Competir no lazer, no trabalho, na vida a dois é óptimo... para quem quer ficar esgotado e perder o melhor.
17.A rigidez é boa na pedra, não no homem. A ele cabe firmeza, o que é muito diferente.
18.Uma hora de intenso prazer substitui com folga três horas de sono perdido. O prazer recompõe mais que o sono. Logo, não perca uma oportunidade de divertir-se.
19.Não abandone suas três grandes e inabaláveis amigas: a intuição, a inocência e a fé.
20.Entenda de uma vez por todas, definitiva e conclusivamente: "Você é o que se fizer". E não culpe os outros pela sua infelicidade, pois só você poderá fazer você feliz!

CÓDIGO MUNDIAL DE DEFESA DA NATUREZA


1.Respeitarei todas as formas de vida, porque cada uma delas é um elo da corrente que sustenta a vida na Terra.
2.Retirarei da natureza somente o que pode ser substituído, para que nenhuma espécie desapareça da Terra.
3.Não poluirei o ar, o solo ou a água.
4.Não comprarei produtos relacionados com animais e plantas em vias de extinção ou florestas ameaçadas de desertificação.
5.Manterei o ambiente à minha volta limpo e respeitarei o ambiente, onde quer que vá.
6.Chamarei à atenção para casos de poluição e para quaisquer outras formas de abuso da Natureza.
7.Não desperdiçarei combustível ou energia.
8.Deliciar-me-ei com a beleza e as maravilhas da Natureza toda a minha vida.

quinta-feira, 27 de março de 2008

DEVER DE TODOS NÓS



PRESERVEMOS O AMBIENTE SE QUEREMOS TER QUALIDADE DE VIDA.

COMEMORAÇÕES - 27MARÇO


DIA MUNDIAL DO TEATRO - 27 DE MARÇO
O Dia Mundial do Teatro, foi instituído em 1961 pelo ITI/UNESCO, e é assinalado todos os anos com múltiplas realizações.

DIA MUNDIAL DO ASSISTENTE SOCIAL - 27 de MARÇO
A FIAS decidiu realçar a importância da acção dos Assistentes Sociais no mundo inteiro, através da celebração do Dia Mundial do Assistente Social cuja primeira comemoração é já no dia 27 de Março de 2007.
Este dia será comemorado anualmente.
O tema do Jubileu (cinquentenário da FIAS, celebrado em Julho de 2006 em Munique, Alemanha): “Serviço Social: Construindo um Mundo de Diferença” foi escolhido para a primeira comemoração do Dia Mundial do Assistente Social.
A FIAS – Região Europa vai realçar especificamente a acção dos Assistentes Sociais na luta contra a pobreza.
Pretende-se com a comemoração deste dia apoiar os Assistentes Sociais pelo mundo fora a desenvolverem diversos tipos de actividades que coloquem o Serviço Social na ordem do dia a todos os níveis, na promoção da importância da profissão do Assistente Social e aumento do sentido de pertença a uma mesma comunidade entre os Assistentes Sociais.
O Dia do Assistente Social tem assim um duplo objectivo:
-Aumentar a consciência nas sociedades e comunidades da importância do papel do Assistente Social na sua intervenção face à Pobreza e cidadãos socialmente excluídos, ao contribuir para a criação de um sustentável desenvolvimento social e económico nas sociedades.
-Potenciar a cultura profissional do Assistente Social e o incremento do espírito de partilha e comunicação entre os Assistentes Sociais.

DIA NACIONAL DO DADOR BENÉVOLO DE SANGUE - 27 DE MARÇO
Sejam solidários. Dêem sangue. Hoje os outros precisam , amanhã podemos ser nós. Não fiquem indiferentes.

FLAGELO


Está a aproximar-se o verão e o flagelo de milhares de pessoas.
Falo dos incêndios, assunto que deveria preocupar todas as pessoas e conscencializar mentes ainda pouco abertas.
A prevenção e a segurança é um dever de cada um de nós, e começa nas nossas próprias coisas, com pequenos gestos, e só assim se evitará catastrofes, calamidades, perdas de vidas humanas e de bens.
As florestas, as matas, são um património de todos nós. Denunciem irregularidades e atropelhos ao ambiente que posssam colocar em risco todo um conjunto de factores necessários à nossa própria sobrevivência e bem-estar.
Quero ainda homenagear os Bombeiros, verdadeiros heróis destas catástrofes, que muitas das vezes são esquecidos. Bem hajam pelo vosso árduo e profícuo trabalho.

quarta-feira, 26 de março de 2008

A NOSSA SENHORA


Ó mística mulher, nascida na Judeia,
Fantasma espiritual da legenda cristã!
Imperatriz do Céu, que para além se alteia,
A Nação de que a Terra é uma pequena aldeia,
E simples lugarejo a Estrela-da-manhã!
Morena aldeã dos arredores de Belém!
Mãe admirável! Mãe do Sofrimento humano!
Mãe das campinas! Mãe da Lua! Mãe do Oceano!
Ó Mãe de todos nós! Ó Mãe de minha Mãe!
Vela do Altar! Casa de Oiro! Arca da Aliança!
Rede do Pescador! Lanterna do ceguinho!
Ó meu primeiro amor! Minha última Esperança!
Amparo de quem vai pela existência, e cansa!
Oblação pura! Silva de ais! Vela de Moínho!
Meu Sete Estrelo! Mar de leite! Meu Tesoiro!
Palácio de David! Ó Torre de Marfim!
Anjo da Perfeição! cujo cabelo loiro,
Caído para trás, lembra uma vinha de oiro,
Que eu desejara ver aos cachos sobre mim…
Grão das searas! Sol d’Abril! Luar de Janeiro!
Luar que ruge os cravos, sol que faz corar a vide…
Alimento dos Bons! Farinha do moleiro!
Auxílio dos cristãos! Vela do marinheiro!
Portas do Céu! Glória da casa de David!
Sol dos dóis! Ãncora ebúrnea! Águia do Imenso!
Vinho de unção! Pão de luz! Trigo dos Eleitos!
Ideal, por quem, a esta hora, em todo o Mundo, eu penso,
No Ar se ergue, em espirais, um nevoeiro de incenso,
E desgraçados, aos milhões, batem nos peitos…
Ó Fonte de Bondade! Ó Fonte de meus dias!
Vaso de insigne Devoção! Onda do Mar!
Coroa do Universo! Asa das cotovias!
Ogiva ideal! Causa das nossas alegrias!
Ó Choupo santo! Ó Flor do linho! Ó nuvem do Ar.
Carne, de Cristo! Cidadela de altos muros!
Santuário da Fé. Lancha de Salvação!
Alma do Mundo! Avó dos séculos futuros!
Fortaleza da Paz! Via-Láctea dos Puros!
Monte de Jaspe! Rosa Mística! Alvo Pão!
Sangue do leal Jesus! Cadeira da Verdade!
Vime celeste! Água do Mar! Pérola Única!
Mulher com vinte séculos de idade
E sempre linda mocidade
Pelas ruas do céu, passas, cingindo a túnica…
Cesto de Flores, Advogada Nossa!
Alvéu de espuma! Cotovia dos Amantes!
Escada de Jacob! Sol da Sabedoria!
Rainha dos Mundos! Pão nosso de cada dia!
Ó véu das noivas! Ó Farol dos navegantes!
Ó Leme da Arca-Santa! Ó Cruz dos sítios ermos!
Toalha de linho! Hóstia de luz! Cálice da Missa!
Modelo da Pureza! Espelho da Justiça!
Estrela da Manhã! Saúde dos enfermos!
Ó Virgem Poderosa! Ó Virgem Clementíssima!
Ó Virgem Sofredora! Óh Virgem Protectora!
Óh Virgem Piedosa! Ó Virgem perfeitíssima!
Virgem das Virgens! Minha Mãe! Nossa Senhora!

(A. Nobre, Coimbra,1889)

ACIDENTE OU NEGLIGÊNCIA


(CLICAR NA IMAGEM PARA PUDEREM LER O TEXTO. VALE A PENA PERDEREM UM MINUTO DO VOSSO TEMPO A LEREM ESTE ARTIGO DO DR. OCTÁVIO CUNHA, MEDICO PEDIATRA)

ACIDENTES - CONSCIENCIALIZAÇÃO



VAMOS CADA UM DE NÓS TER CONSCIÊNCIA E TRAVAR ESTE FLAGELO QUE TERMINA CADA VEZ MAIS COM VIDAS HUMANAS, PRECIOSAS ÀS FAMÍLIAS, À SOCIEDADE E AO PAÍS?

Convenção sobre dos Direitos da Criança


Os Estados Partes na presente Convenção:

Considerando que, em conformidade com os princípios proclamados pela Carta das Nações Unidas, o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo;

Tendo presente que, na Carta, os povos das Nações Unidas proclamaram, de novo, a sua fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana e que resolveram favorecer o progresso social e instaurar melhores condições de vida numa liberdade mais ampla;

Reconhecendo que as Nações Unidas, na Declaração Universal dos Direitos do Homem (3) e nos pactos internacionais relativos aos direitos do homem (4), proclamaram e acor-daram em que toda a pessoa humana pode invocar os direitos e liberdades aqui enunciados, sem distinção alguma, nomeadamente de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, nascimento ou de qualquer outra situação;

Recordando que, na Declaração Universal dos Direitos do Homem, a Organização das Nações Unidas proclamou que a infância tem direito a uma ajuda e assistência especiais;

Convictos de que a família, elemento natural e fundamental da sociedade e meio natural para o crescimento e bem-estar de todos os seus membros, e em particular das crianças, deve receber a protecção e a assistência necessárias para desempenhar plenamente o seu papel na comunidade;

Reconhecendo que a criança, para o desenvolvimento harmonioso da sua perso-nalidade, deve crescer num ambiente familiar, em clima de felicidade, amor e compreensão;

Considerando que importa preparar plenamente a criança para viver uma vida individual na sociedade e ser educada no espírito dos ideais proclamados na Carta das Nações Unidas e, em particular, num espírito de paz, dignidade, tolerância, liberdade e solidariedade;

Tendo presente que a necessidade de garantir uma protecção especial à criança foi enunciada pela Declaração de Genebra de 1924 sobre os Direitos da Criança (5) e pela Declaração dos Direitos da Criança adoptada pelas Nações Unidas em 1959 (2), e foi reconhecida pela Declaração Universal dos Direitos do Homem, pelo Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos (nomeadamente nos artigos 23.º e 24.º) 4, pelo Pacto Internacional sobre os Direitos Económicos, Sociais e Culturais (nomeadamente o artigo 10.º) e pelos estatutos e instrumentos pertinentes das agências especializadas e organizações internacionais que se dedicam ao bem-estar da criança;

Tendo presente que, como indicado na Declaração dos Direitos da Criança, adoptada em 20 de Novembro de 1959 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, «a criança, por motivo da sua falta de maturidade física e intelectual, tem necessidade de uma protecção e cuidados especiais, nomeadamente de protecção jurídica adequada, tanto antes como depois do nascimento» (6) ;

Recordando as disposições da Declaração sobre os Princípios Sociais e Jurídicos Aplicáveis à Protecção e Bem-Estar das Crianças, com Especial Referência à Adopção e Colocação Familiar nos Planos Nacional e Internacional (7) (Resolução n.º 41/85 da Assembleia Geral, de 3 de Dezembro de 1986), o Conjunto de Regras Mínimas das Nações Unidas relativas à Administração da Justiça para Menores («Regras de Beijing») (8) (Resolução n.º 40/33 da Assembleia Geral, de 29 de Novembro de 1985) e a Declaração sobre Protecção de Mulheres e Crianças em Situação de Emergência ou de Conflito Armado (Resolução n.º 3318 (XXIX) da Assembleia Geral, de 14 de Dezembro de 1974) (9);

Reconhecendo que em todos os países do mundo há crianças que vivem em condições particularmente difíceis e que importa assegurar uma atenção especial a essas crianças;

Tendo devidamente em conta a importância das tradições e valores culturais de cada povo para a protecção e o desenvolvimento harmonioso da criança;

Reconhecendo a importância da cooperação internacional para a melhoria das condições de vida das crianças em todos os países, em particular nos países em desenvolvimento;

acordam no seguinte:

ARTIGO 1.º
Nos termos da presente Convenção, criança é todo o ser humano menor de 18 anos, salvo se, nos termos da lei que lhe for aplicável, atingir a maioridade mais cedo.

ARTIGO 2.º
1. Os Estados Partes comprometem-se a respeitar e a garantir os direitos previstos na presente Convenção a todas as crianças que se encontrem sujeitas à sua jurisdição, sem discriminação alguma, independentemente de qualquer consideração de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra da criança, de seus pais ou representantes legais, ou da sua origem nacional, étnica ou social, fortuna, incapacidade, nascimento ou de qualquer outra situação.

2. Os Estados Partes tomam todas as medidas adequadas para que a criança seja efectivamente protegida contra todas as formas de discriminação ou de sanção decorrentes da situação jurídica, de actividades, opiniões expressas ou convicções de seus pais, representantes legais ou outros membros da sua família.

ARTIGO 3.º
1. Todas as decisões relativas a crianças, adoptadas por instituições públicas ou privadas de protecção social, por tribunais, autoridades administrativas ou órgãos legislativos, terão primacialmente em conta o interesse superior da criança.

2. Os Estados Partes comprometem-se a garantir à criança a protecção e os cuidados necessários ao seu bem-estar, tendo em conta os direitos e deveres dos pais, representantes legais ou outras pessoas que a tenham legalmente a seu cargo e, para este efeito, tomam todas as medidas legislativas e administrativas adequadas.

3. Os Estados Partes garantem que o funcionamento de instituições, serviços e estabelecimentos que têm crianças a seu cargo e asseguram que a sua protecção seja conforme às normas fixadas pelas autoridades competentes, nomeadamente nos domínios da segurança e saúde, relativamente ao número e qualificação do seu pessoal, bem como quanto à existência de uma adequada fiscalização.

ARTIGO 4.º
Os Estados Partes comprometem-se a tomar todas as medidas legislativas, administrativas e outras necessárias à realização dos direitos reconhecidos pela presente Convenção. No caso de direitos económicos, sociais e culturais, tomam essas medidas no limite máximo dos seus recursos disponíveis e, se necessário, no quadro da cooperação internacional.

PARA QUANDO O CUMPRIMENTO DESTES ARTIGOS? ATÉ QUANDO ASSISTIREMOS AOS MASSACRES CONSTANTES DE CRIANÇAS, ENQUANTO O MUNDO FICA IMPUNE A VER?

REFLEXÃO DO DIA


ATÉ QUANDO ESTAS CONDIÇÕES DE VIDA? EM QUE SÉCULO ESTAMOS? NO XXI? NÃO PARECE.
MEDITEM AO VEREM ESTA IMAGEM E PENSEM NO ESBANJAR E NO QUE PODERÍAMOS FAZER COM O SUPERFULO QUE TEMOS.

DECLARAR O AMOR


Demonstrar o amor é uma forma de deixar a vida transbordar dentro do próprio coração.
A maioria das pessoas estabelece datas especiais para manifestar o seu amor pelo outro: é o dia do aniversário, o natal, o aniversário de casamento, o dia dos namorados.
Para elas, expressar amor é como usar talheres de prata: é bonito, sofisticado, mas somente em ocasiões muito especiais.
E alguns não dizem nunca o que sentem ao outro. Acreditam que o outro sabe que é amado e pronto. Não é preciso dizer.
É importante saber dizer: amo-te! O gesto carinhoso, a palavra gentil autêntica, a demonstração afectiva num abraço, numa delicada carícia funcionam como estímulos para o estreitamento dos laços indestrutíveis do amor.
É urgente que, no relacionamento humano, se quebre a cortina do silêncio entre as criaturas e se fale a respeito dos sentimentos mútuos, sem vergonha e sem medo.
A pessoa cuja presença é uma declaração de amor consegue criar um ambiente especial para si e para os que privam da sua convivência.
Quem diz ao outro: eu amo-te, expressa a sua própria capacidade de amar, mas também, afirmando que o outro é amado, faz-se amar e cria amor ao seu redor.

WALT WHITMAN - 26 de Março de 1892


WALT WHITMAN, poeta Norte Americano cuja obra afirma claramente a importância e a unicidade de todos os seres humanos. A sua ruptura com a poética tradicional, tanto no plano do conteúdo como no do estilo, traçou um rumo, seguido pelas posteriores gerações de poetas, entre os quais se destaca o nosso Fernando Pessoa.

Witman morreu no dia 26 de Março de 1892 e escreveu entre tantas coisas, o texto que se segue:

“Não deixes que termine o dia sem teres crescido um pouco sem teres sido feliz, sem teres aumentado os teus sonhos. Não te deixes vencer pelo desalento. Não permitas que alguém retire o direito de te expressares, que é quase um dever. Não abandones as ânsias de fazer da tua vida algo extraordinário. Não deixes de acreditar que as palavras e a poesia podem mudar o mundo. Aconteça o que acontecer a nossa essência ficará intacta. Somos seres cheios de paixão. A vida é deserto e oásis. Derruba-nos, ensina-nos, converte-nos em protagonistas de nossa própria história. Ainda que o vento sopre contra, a poderosa obra continua: tu podes tocar uma estrofe. Não deixes nunca de sonhar, porque os sonhos tornam o homem livre.” Walt Whitman

DADOS BIBIOGRÁFICOS MAIS IMPORTANTES:
1819 Nascimento (31 de Maio).
1841 Muda-se para a cidade de Nova Iorque.
1855 O seu pai, Walter, morre. Sai a primeira edição de Leaves of Grass.
1865 Assassinato de Abraham Lincoln. Publicação de Drum-Taps, o seu poema que retrata a sua experiência de guerra, posteriormente incorporado em "Leaves of Grass".
1871 Sofre uma paralisia parcial e a mãe, Louisa, morre.
1877 Conhece Maurice Bucke.
1879 Publicada a última edição de "Leaves of Grass", em Boston.
1882 Conhece Oscar Wilde. Publica Specimen Days & Collect.
1888 Segunda paralisia parcial. Agravamento do seu estado de saúde. Publica November Boughs.
1892 Walt Whitman morre, a 26 de Março.

NOSSA SENHORA - Mensagem de 26 de Março


Queridos e amados filhos!
Com grande sabedoria e amor no meu coração, eu recebo esta homenagem! Dizia Jesus, que é tão bonito nos momentos da vida saber ouvir. O coração de quem ama também deve saber ouvir, porque o coração de quem ama é verdadeiramente agraciado pela misericórdia de Deus, que é o amor.
Hoje nós estamos iniciando com grande alegria este momento de fé, nesta tarde em que estamos suplicando a Deus a sua misericórdia, através da oração e também recorrendo a ele nesta semana de oração, de espiritualidade. Semana Santa, que foi a preparação para a Páscoa, onde viveremos com grande sabedoria, e com grande respeito cada momento de sofrimento que um dia Jesus viveu por nós.
Vamos primeiramente fazer um acto de agradecimento ao Céu. Cada um vai colocar um acto de agradecimento a Jesus. Jesus conhece todo o seu ser. Deus conhece-te por completo, então tu vais agradecer pela vida que tu tens.
Quantas vezes que o homem, em vez de reclamar, deveria agradecer. As pessoas conseguem obter sempre uma solução para aquilo que nós achamos que é o maior problema não é deixando se desmoronar pelo problema, mas mostrando para aquele problema que muito maior que tudo isso é a misericórdia de Deus. E foi isso que Jesus fez: Jesus não mostrou ao mundo o problema. Jesus tornou-se a salvação do mundo.
Hoje nós temos aqui a alegria e ao mesmo tempo uma meditação que nos leva a ver a tristeza em que está o mundo, porque a realidade do mundo está tão distante daquilo que o mundo deveria viver.
Quando Jesus salvou o mundo, Ele deixou os ensinamentos, deixou uma catequese que é o Santo Evangelho, deixou a Igreja criada, iluminada, protegida por toda a graça e bênção do Céu, que é o Divino Espírito Santo. E a humanidade desviou-se muito do caminho da Santidade.
Hoje nós vemos a pobreza de espírito das pessoas. Ninguém está vivendo esta semana com aquela busca, com aquele entusiasmo: eu quero que a Semana Santa signifique mais para mim, eu quero dar um passo maior, eu quero transformar a minha vida, deixar que o Espírito Santo realmente habite em meu coração.
A humanidade está vivendo uma frieza muito grande, filhos! É isso que tem me levado a sentir muita tristeza em torno do meu ser, porque eu tenho consciência que esta falta de valorização das coisas de Deus causará ao mundo grande abalo. O homem viverá diante de tormentos enormes! O homem está plantando a dor para a sua vida.
Hoje nós estamos vendo cada dia mais o mundo se levar por este grande sofrimento do pecado. O pecado tem feito com que as pessoas se tornem escravas, com que se tornem tristes, com que se tornem depressivas, deprimidas. Nós precisamos restaurar o nosso coração, pedir a Jesus que venha lapidar o nosso coração. Nós precisamos que o nosso coração seja lapidado por Cristo. É isso que vocês precisam, filhos!
Hoje eu lembro com alegria e ao mesmo tempo recordo o meu sofrimento. Lembro com alegria, porque foi através do sofrimento que hoje eu vejo o mundo na luz. Por mais que o homem não a esteja seguindo, a luz está aí: Jesus na Eucaristia, Jesus na Hóstia Consagrada, o Amor de Jesus, a Palavra de Deus. O homem não está é valorizando, vivendo dignamente como deveria viver, mas a graça de Deus está aí. Recordo das tristezas vividas pelo meu Coração e pelo Coração de Jesus, e por todos aqueles que naquele momento estavam unidos connosco, e diante desta união puderam sentir também o dom do sofrimento, o peso da cruz, a amarga dor de ver o mundo numa calamidade tão grande de escuridão. Porque naquele momento o mundo era completamente cego à luz de Deus.
A única coisa que eu peço para vocês é que consolem Jesus hoje, evitando o pecado, evitando principalmente a malícia da sua língua, a malícia dos seus olhos, a malícia das suas palavras.
Consolem Jesus pensando um pouquinho mais na vossa vida de evangelização, se evangelizem. Hoje nós somos chamados a ser evangelizados. O Céu está nos evangelizando. Nós estamos recebendo um dos maiores alimentos do mundo: a Palavra de Deus. Nós temos aqui um canal de graça directamente do Céu.
Eu falaria para vocês, filhos, orem por aqueles que não estão sabendo, durante estes dias, fazer em suas vidas uma renovação da fé. Jesus disse: “Renove a sua fé pelo Santo Baptismo.”
O que me dói é saber que o mundo tem hoje a luz, e está tão pagão, tão cego à luz, envolvido numa calamidade enorme de trevas. Isso me dói imensamente. É por isso, filhos, que neste ano eu tenho olhado para o mundo e sentido tanta tristeza. O homem está cada dia mais desrespeitando a Deus. O homem já não está vivendo mais a vontade de Deus, os desígnios de Deus. O homem está só preocupado em ter, em ter, possuir e possuir. E com tudo isso o homem tem perdido os seus valores, a sua graça, a sua riqueza.
Hoje se olha para as crianças e se vê tanta tristeza no olhar das crianças, que são agredidas por este mundo tão imoral, tão cercado da falta de dignidade da parte das famílias e dos jovens, que deveriam ser exemplo para todos os menores.
Hoje se olha para os jovens e se vê tanta tristeza, porque os jovens estão largando de renovar a sua fé, de procurar a solução para o problema do mundo de hoje. Em vez de procurar a solução em Deus, estão procurando nos caminhos errados, nos caminhos que lhes levam a ser completamente perdidos pela ira do mal, completamente dominados pela ira do mal.
As famílias, as famílias não têm procurado um ideal de uma família temente a Deus, no temor a Deus, na obediência a Deus.
O mundo está numa grande tempestade de sofrimentos. Talvez aparentemente a Terra não esteja em grandes tremores, mas o homem sim. O homem está! O homem está sem alicerce na sua vida, o homem não soube dar continuidade à graça que Deus depositou em seu coração, que foi o próprio Cristo Jesus, o Salvador do mundo. Por isso é preciso não desistir, mas se unir a Deus e ter boa vontade, a começar por você mesmo, pela sua mudança de vida, pela sua procura das coisas do Céu, pelo seu silêncio.
É isso que eu peço para vocês, filhos. Façam esta meditação, esta grande reflexão deste dia de hoje.
Celebrem com alegria, mas também se lembrem que o mundo está magoando Jesus hoje como um dia magoou, como um dia cegamente o mundo magoou. Mas hoje o mundo tem consciência, falam da oração e as pessoas não querem ter conhecimento, falam da Santa Eucaristia e muitos não querem ter conhecimento, falam do Santo Evangelho e muitos nem querem ter conhecimento. Quando vem o sofrimento, quando vem a tempestade o homem vai ao encontro de Deus e ainda diz: Senhor, porque tudo isso?
O Senhor é tão misericordioso, e misericórdia que ainda olha para os seus filhos e diz assim: “Olhem, meus filhos, ainda há tempo!” Então o amor de Deus é maravilhoso, o amor de Deus é a maior graça, a maior bênção que nós temos na nossa vida! Eu só tenho tristeza em saber que o homem não valoriza o amor de Deus na sua vida apenas porque Ele é silencioso.
Queridos e amados filhos, eu vos dei a minha bênção. Como vocês podem meditar, esta mensagem de hoje nos mostra uma realidade muito dolorosa. A realidade de que as pessoas hoje têm vivido a vontade de Deus tão friamente.
Eu digo para vocês que o meu coração está vivendo diante de uma tristeza muito grande, porque eu estou sentindo o quanto que a luz está presente no mundo, mas o quanto que o homem está distante da luz. Hoje, infelizmente, meus filhos, é o disse Jesus nesta mensagem: pede para orar, o homem não ora, pede para ir à Eucaristia, o homem não vai, pede para viver o Evangelho, o homem não vive e quando vem a tempestade o homem ainda chega perto do Senhor perguntando o porque desta tempestade. Mas o Senhor é tão bom que mostra para os seus filhos que ainda há tempo.
Então foi isso que Jesus fez no momento em que Ele sofreu, ao olhar daquele rosto triste, que Jesus trazia, Ele ainda mostrou ao mundo a Luz, a esperança, e a certeza daquilo que Ele sempre diz: “Aquele que crer nunca morrerá, e mesmo que esteja morto viverá.”
Então nós buscamos esta vida em Deus. Por isso hoje, nesta terça-feira Santa, é um acto de meditação, e de sermos consoladores de Cristo. Hoje Jesus vai estar presente em você através da Santa Eucaristia. Então o console, diga o quanto você o ama, e deseja amá-lo, contribuindo pela salvação de sua alma, e pela salvação de todos aqueles que necessitam da sua ajuda.
Fiquem em paz! A quem me ofertou estas lindas flores, eu dou o meu Coração de Mãe.
Permaneçam sobre a protecção do Divino Espírito Santo!
Agora eu vou, o Senhor me chama e eis aqui a serva do Senhor!

26 DE MARÇO: DIA DA LIBERDADE DOS DOCUMENTOS

O Dia da Liberdade dos Documentos (DFD, Document Freedom Day) é um dia internacional para Libertação de Documentos com acções de base no sentido de promover Formatos de Documento Livres e Padrões Abertos em geral. O DFD foi iniciado e é apoiado por um grupo de organizações e empresas, incluindo, mas não limitado a, a Free Software Foundation Europe, ODF Alliance, OpenForum Europa, IBM, Red Hat e Sun Microsystems, Inc.

Em 26 de Março de 2008, o Dia da Liberdade dos Documentos irá proporcionar um ponto de mobilização mundial pela Libertação de Documentos e por Padrões Abertos.

“Liberdade dos Documentos significa criar, trocar, e preservar seus documentos electrónicos sem ter de comprar software de um determinado fornecedor.”

“O aprisionamento tecnológico dos dados e o subsequente aprisionamento tecnológico de clientes por parte de fornecedores são alguns dos mais graves problemas que os usuários estão enfrentando hoje”, disse o presidente da FSFE, Georg Greve. “Contudo a maioria das pessoas só se dá conta deste propósito quando é muito tarde e elas efectivamente já perderam o controle sobre seus próprios dados. Estamos colaborando com o Dia da Liberdade dos Documentos para ajudar a promover a consciência para esta questão, iniciando com algo que afecta praticamente todos os usuários de computadores: documentos de texto, planilhas e apresentações.”

“Formatos de Documentos Livres e padrões abertos são elementos importantes na continuação da expansão da comunidade global de código aberto”, disse Tom Rabon, vice-presidente executivo de Assuntos Corporativos da Red Hat. “A Red Hat apoia firmemente o Dia da Liberdade dos Documentos e incentiva a participação de todos aqueles que aguardam com expectativa o dia em que os documentos sejam controlados por seus próprios donos, e não necessariamente por aqueles que criam a tecnologia para acessar esses documentos.”

Simon Phipps, o Oficial-Chefe de Open Source da Sun Microsystems declarou, “Como eu expliquei no meu artigo “Freedom to Leave” [*], é fundamental no mercado emergente que as pessoas sejam livres para utilizar qualquer software que elas desejam para manipular seus dados. Estou plenamente de acordo com as metas de Liberdade dos Documentos.”

O Dia da Liberdade dos Documentos (DFD) é um dia global para Libertação de Documento. É um dia de actividades de base ao redor do mundo com o objectivo de promover e desenvolver a consciência da relevância dos Formatos de Documento Livres em particular e dos Padrões Abertos em geral. O DFD é apoiado por um grande grupo de organizações e indivíduos, incluindo, mas não limitado a Ars Aperta, COSS, Esoma, Fundações Software Livre Europa e América Latina, IBM, NLnet, ODF Alliance, OpenForum Europa, OSL, IMatix, Red Hat, Sun Microsystems, Inc., The Open Learning Centre, Opentia, Estandares Abiertos.

O AMOR É A MAIS PURA MATEMÁTICA


Uma função que converge entre duas pessoas,
E diverge pela eternidade.
Uma soma que nunca acaba,
Multiplica os sentimentos,
Divide o coração,
Diminui a solidão.
Complexo, logo real,
Integra as pessoas e deriva de amigos,
Não é uma constante, pois varia conforme o tempo,
Mas nem por isso é periódico.
Uma variável, vivemos para resolve-la,
E quando achamos que resolvemos,
Não sabemos provar.
Se a retrógrada não for verdadeira ele não existe,
Porém existe o inverso.
Às vezes comporta-se como um modulo, pois ele pode aumentar quando o tempo for negativo.
Um sub-espaço?
Não, nunca ficamos nulos por ele,
Quem sabe uma matriz pode resolvê-lo: existe várias variáveis e um determinante,
Mas ele não é racional,
Age de outra maneira, sem lógica,
Pelo menos não a lógica que usamos,
Mas não tentemos decifrar a sua lógica,
Ficaria sem valor,
Perderia o mistério, a razão de ser,
Não teria a expectativa do resolver pois já saberíamos a resposta,
Seria sem discussões,
Directo na conclusão.
Sendo assim é melhor parar de procurá-lo,
Ele virá no instante certo nas variáveis que lhe for convenientes com a constante de ser feliz.

ESCANDÂLO


Para quando as consciências humanas tomam conta da miséria existente no continente africano e não só, onde continuam seres humanos a morrer de fome, quando pessoas sem escrupulos enriquecem à custa da desgraça alheia?
Seres inocentes, como as crianças, são seres indefesos que são vítimas de um problema que não foi criado por elas.
Que todos nós tenhamos consciência do flagelo que atinge o continente africano e não só, também o nosso Portugal.

terça-feira, 25 de março de 2008

PENSAMENTO DO DIA

FOTO DA SEMANA


O ROSTO MARCADO PELAS DIFICULDADES DA VIDA LEVA-NOS A UM ESTADO DE ALMA DIFICIL DE SE COMPREENDER SE NÃO APLICARMOS A RECEITA DO AMOR, DA BOA NOVA, DA ESPERANÇA, DA FRATERNIDADE, DA COMPREENSÃO.

A SOLIDÃO É TERRÍVEL


Quantos de nós entendemos o verdadeiro significado e sentido da palavra Solidão?

A SOLIDÃO CORROI A ALMA E DESTROI O ESPÍRITO.

sexta-feira, 21 de março de 2008

BENFICA - GATO FEDORENTO

ESCANDALO NA EDUCAÇÃO

Assim vai a educação em Portugal e com os exemplos que aprendem e têm em casa, temos jovens como esta que querem ser o nosso futuro. Se assim continuarem, esta juventude está perdida, e agradeçam à Ministra da Educação e ao governo às suas políticas.
Se não eu quero emigrar, porque não me revejo neste país.

terça-feira, 18 de março de 2008

"Solidão"


Estou só Senhor,
Estou sempre só de tudo o que me rodeia.

Só no meio da multidão,
Mas sobretudo estou só do Mar,
Que me dá vida e do Sol que me dá calor,
Só! só da família que me criou,
Só! só do cheiro dos pinheiros e,
Dos eucaliptos,
Da maresia e,
Da terra lavrada.

Estou só Senhor,
Mas sobretudo estou sempre só,
Quando algo me faz o,
Coração chorar e,
a Alma se escurece.

Só! quando de pés e mãos atado,
Não consigo dar um passo,
Só! só nas grandes e pequenas caminhadas,
Nas grandes e pequenas decisões.

E até só! nas grandes e pequenas encruzilhadas.

Onde a vida e a morte se espreitam,
E onde tudo o que sou,
Está frente a frente,
Com aquilo que eu não sou.

Onde o que eu posso ser,
O que eu sou realmente,
O que eu julgo ser,
O que eu sou visto ser,
Se encontram num só ser,
Dando-me este sentir ,
De imensa solidão,
Que até julgo sentir que,
De ti Senhor também,

ESTOU SÓ

(poema feito em Dezembro de 2007)

QUANDO O DIA CHEGAR


Quando o dia chegar,
E eu partir em viagem,
Quando a minha alma se libertar,
E seguir o seu caminho,
Quando o meu corpo se vaporizar,
E seguir o seu destino,
Que fiquem os poemas para recordar,
Que sofreram,
A libertação,
Das penas que me afundaram.

Partirei,
Numa viagem que desconheço,
Viajarei,
Com ou sem regresso,
Porque o sol vai voltar,
O mar irá bater,
O vento irá soprar,
Enquanto a vida quiser.
E que eu seja de novo manhã,
Para que possas ver o sol.
(Rogério Martins Simões)

segunda-feira, 17 de março de 2008

APELO DE UM SOLITÁRIO


SE PUDÉSSEMOS OUVIR O APELO DE UM SOLITÁRIO, TALVEZ ELE FOSSE MAIS OU MENOS ASSIM:
Tu, que estás na flor da idade, ou a viveres feliz considera que o despertar da vida é como o amanhecer. Tudo fica mais quente e mais alegre.
Mas o amanhecer não é eterno e a ele se sucedem outras fases do dia...
O meu apelo é para que as crianças de hoje não esqueçam os solitários do amanhã.
É para que os mais jovens ou aqueles que se dizem meus amigos, elevem a minha mão trémula e o meu andar hesitante. Amparem-me por favor.
Se minha audição não é boa e tenho que me esforçar para ouvir o que tu estás a dizer, tem compaixão.
Se a minha visão é imperfeita e o meu entendimento é escasso, ajuda-me com paciência.
Se as minhas mãos tremem e derrubam tantas coisas no chão, por favor, não te irrite, tentei fazer o melhor que pude.
Se tu me encontrares na rua, não faças de conta que não me viste; pára para conversares comigo; sinto-me tão só.
Se, na tua sensibilidade, me encontrares triste entre tantos aqueles que também estão, simplesmente partilha um sorriso comigo e com eles. Sê solidário, eu necessito apenas de um pouco de carinho.
Se te contei pela terceira vez a mesma história, não me repreendas, simplesmente ouve-me. Se não falo coisa com coisa, não te rias de mim.
Se estou doente e caminhando com dificuldade, não me abandones, preciso de um braço forte que ampare os meus passos.
Sabes, estou cansado de viver assim, só e sem ninguém e sinto que o outono derradeiro se aproxima.
Eu sei que o ocaso da vida é como o entardecer. Indica que é chegado o momento de partir..
Por isso te peço que me perdoes se tenho medo da morte e ajuda-me a aceitar o adeus.
Fica mais tempo comigo para me dares segurança.
Os meus olhos cansados e vergados com o peso da solidão e as rugas no meu rosto não impedem que eu queira repousar a minha cabeça num colo seguro.
Sei que o comboio da vida logo irá parar nesta estação, e eu terei que embarcar.
Sei também que terei que ir só, como só desembarquei nesta estação um dia.
Por tudo isso eu te peço para que não me negues a tua atenção e o teu carinho, o teu amor , a tua amizade.
Logo estarei deixando esta vestimenta surrada pelo tempo, e rumarei para outra dimensão da vida, da vida eterna.
Eis o meu apelo...Que pode também ser o teu um dia...Que nunca aconteça...
O ocaso da vida é como o entardecer. Indica que é chegado o momento de partir.
Mas, nem sempre a hora de partir se dá no entardecer.
Há aqueles que retornam no mesmo comboio que chegam. Há os que se demoram por aqui apenas algumas horas, dias, meses.
A única certeza é que todos retornamos um dia para a pátria verdadeira, nesse comboio da vida.
Por esta razão, vale a pena viver intensamente cada minuto, dando à vida a importância que ela tem.
E viver intensamente é enaltecer o tempo, no desenvolvimento das nobres virtudes que o Criador depositou na intimidade de cada filho Seu.

PROFECIAS - V


Amizade é mais que afinidade. Envolve mais que afeição.

As exigências da amizade - franqueza, sinceridade, lealdade incondicional e auxílio a ponto do sacrifício - são estímulos poderosos para o amadurecimento moral e o enobrecimento.

A amizade genuína requer tempo, esforço e trabalho para ser mantida. A amizade é algo profundo, e de facto, é uma forma singela e simples de mostrarmos o nosso íntimo, de que massa somos feitos.

PROFECIAS - I V


O PODER DO PENSAMENTO NA VIDA A DOIS

O maior instrumento de poder de que se tem notícia encontra-se dentro de nós: o nosso pensamento.
Como a electricidade, o dinheiro e tantas outras coisas que, em essência, não são boas nem más, o pensamento produz resultados de acordo com o uso que se faz dele.
O facto é que estamos continuamente interagindo com o cosmos, emitindo e recebendo vibrações, e assim, criando as experiências que vivemos.
Ao tomar consciência do poder do pensamento, conquista-se a chave para abrir as portas que levam à realização dos nossos desejos mais profundos.
Depois de Einstein e da física quântica, não há como negar que, em essência, somos energia. É essa energia se consubstancia na matéria, transformando-se em corpo, mente, emoção. Se temos bons pensamentos e nos mantemos em sintonia com as correntes vibratórias carregadas de energia positiva, nos tornamos capazes de realizar as acções que nos levarão à felicidade. Se, ao contrário, abrigamos pensamentos negativos de inveja, maldade, crítica, intolerância, por exemplo, as nossas acções não irão resultar em experiências positivas.
Os pensamentos fazem-nos sentir emoções variadas, das mais alegres e elevadas às mais deprimentes e assustadoras. Essas emoções, por sua vez, influenciam a nossa mente, o nosso organismo e a nossa saúde, ajudando a nos manter saudáveis e bem dispostos ou nos tornando depressivos e doentes. Cria-se assim, um círculo virtuoso ou vicioso, dependendo do cuidado que temos com aquilo que abrigamos nas nossas mentes. Assim, se queremos ter relacionamentos amorosos felizes, o primeiro cuidado a ser adoptado é em relação aos nossos pensamentos.
A lei da sintonia, como toda a lei espiritual, pode não ser aceite ou compreendida, mas nem por isso deixa de produzir efeitos. Assim como a gravidade atrai os corpos para o centro da Terra, os nossos pensamentos têm o poder de atrair para nós aqueles relacionamentos que desejamos viver. Se nos dispomos a ver o que o outro tem de bom, as nossas atitudes reflectirão esses pensamentos e serão agradáveis e amorosas, despertando uma reacção de igual natureza. Se pensarmos positivamente sobre as pessoas com quem nos relacionamos, naturalmente, as nossas palavras, o nosso modo de agir se tornará muito mais leve e atraente.
O contrário também é verdadeiro. Quando focamos os pensamentos no que não gostamos no parceiro (a), desconfiando que ele(a) irá nos trair ou desapontar, o nosso comportamento muda. Tornamo-nos mais agressivos, ríspidos ou impacientes e o relacionamento vai perdendo a graça e tornando-se pesado. Para pensar bem do outro é preciso, antes, que pensemos bem sobre nós mesmos. É necessário reconhecer as nossas próprias qualidades e a potencialidades que trazemos dentro de nós e que nos torna capazes de crescer, aprender e avançar. Só é possível dar aquilo que se possui. Apenas quem é capaz de se amar e de se valorizar pode amar e valorizar o outro.
O caminho para uma boa auto-estima está em cultivar bons pensamentos e ter em mente que eles são a nossa companhia mais constante.
Temos a opção de escolher, a cada momento, o que abrigamos nas nossas mentes. Com atenção, esforço e responsabilidade é possível detectar um pensamento menos bom na sua origem, e substituí-lo por outro que irá produzir resultados positivos. A melhor estratégia para se encontrar uma princesa ou um príncipe encantado é tornarmo-nos, nós mesmos, uns príncipes ou umas princesas encantadas. O universo funciona como um espelho e tudo aquilo que transmitimos, retorna para nós amplificado.
Para despertar os melhores sentimentos em quem é preciso devemos pensar o melhor dele(a). Só assim estaremos irradiando o tipo de energia e de vibrações que desejamos receber, estabelecendo uma sintonia de amor e de harmonia nos nossos relacionamentos a dois.
Pensar o melhor do nosso parceiro, acreditar na harmonia e na felicidade a dois com todo o nosso ser, trabalhar para isso e o resultado se seguirá.

PROFECIAS - I I I


TER A CORAGEM DE OLHAR PARA DENTRO É...

...compreender que os julgamentos nos mantêm prisioneiros das nossas interpretações. Substituir o julgamento pela aceitação e perceberemos que cada um de nós faz o melhor possível dentro do seu nível de consciência. Ao aceitar o que não pode ser mudado, nós poderemos mudar a nossa atitude e produzir novos resultados na vida.

...ter clareza sobre o que realmente importa para nós, sem nos deixarmos influenciar por falsas necessidades ou expectativas. A compreensão do sentido da vida só é possível quando nós vivemos a partir do coração. Fiquemos com o que permanece e estaremos investindo no que conta na vida.

...reconhecer que nós somos uns seres únicos e que as únicas pessoas com quem nos podemos comparar é connosco mesmo. Observemos o nosso progresso, comemoremos cada passo adiante, reconheçamos as nossas conquistas íntimas. A gratidão abre espaço para receber mais.

...entrar em contacto com as emoções negativas sem julgá-las e sem nos deixarmos dominar por elas, descobrindo a mensagem positiva que elas contêm. Ao nos darmos conta da intenção positiva das emoções negativas, nós adquirimos chaves para abrir as portas para uma nova forma de viver a vida.

...procurar ajuda sempre que precisarmos. Ao reconhecer que não estamos conseguindo fazer o trabalho sozinhos busquemos recursos e ferramentas que nos ajudarão no processo.

...alimentar o pensamento com ideias positivas e optimistas. Da mesma forma que o que nós colocamos no nosso prato reflecte-se na nossa saúde, nos nossos pensamentos, reflectem-se nas circunstâncias da nossa vida. Pensemos o melhor e o melhor virá.

...reservar alguns momentos por dia para estarmos connosco próprios. Façamos meditação, yoga, rezemos. Façamos do nosso jeito à maneira individual de cada um, mas mantenhamos o compromisso de nos voltarmos para dentro.

...comprar um caderno e passar a anotar os nossos pensamentos, monitorar o nosso progresso e escrever anotações para mantermos a conexão com o nosso interior.

...perguntarmo-nos como podemos expressar o nosso amor por nós mesmos. Devemos dar algo que precisamos internamente. Pode ser uma alegria, um prazer estético, um momento de paz, uma atitude, uma pausa para contemplação. Ouçamos a nossa voz interna e saberemos o que se dar.

ELOGIAR


O ser humano é feito, entre outras coisas, de sonhos, ideais, expectativas...
O futuro, apesar dos percalços e obstáculos do presente, sempre se desenha com bons ventos, melhorias e conquistas. Por isso, devemos sempre prosseguir lutando, doando o melhor de nós mesmos na busca dos objectivos e metas.
Nesse percurso, à medida que nos esforçamos, alcançamos degraus intermediários e vitórias parciais que nos animam e estimulam em prosseguirmos a caminhada . Ser reconhecido pelos que nos rodeiam, parentes ou colegas de trabalho, é um grande incentivo.
Aprendamos a elogiar as boas atitudes, as ideias felizes, os esforços sinceros daqueles que caminham connosco; digamos-lhes o quanto foi importante trabalharmos juntos dedicadamente.
Evitemos abrir a boca para a crítica desalentadora, tendo em mente que colhemos tudo o que plantamos. O rigor desanima e afasta.
Elogiar é reconhecer as virtudes e os esforços dos outros, assim como gostaríamos que fizessem connosco.

SEM PALAVRAS


Em Lisboa, o Instituto Hellen Keller, é uma escola que se dedica ao ensino de crianças especiais. Algumas crianças permanecem ali por toda a vida escolar, enquanto outras podem ser encaminhadas para uma escola comum.
Num jantar de beneficência do Instituto Hellen Keller, o pai de uma criança fez um discurso que nunca mais seria esquecido pelos que ali estavam presentes.
Depois de elogiar o Instituto e seu dedicado pessoal, perguntou:
"Onde está a perfeição no meu filho Pedro, se tudo o que DEUS
faz é feito com perfeição? O meu filho não pode entender as coisas como as outras crianças entendem. O meu filho não se pode lembrar de factos e números como as outras
crianças. Então, onde está a perfeição de Deus?"
Todos ficaram chocados com a pergunta e com o sofrimento daquele pai, mas
ele continuou:
"Acredito que quando Deus traz uma criança especial ao mundo, a perfeição
que Ele busca está no modo como as pessoas reagem diante desta criança."
Então ele contou a seguinte história sobre o seu filho Pedro:
Uma tarde, Pedro e eu caminhávamos pelo parque onde alguns
meninos que o conheciam, estavam a jogar futebol.
Pedro perguntou-me: - Pai, tu achas que eles me deixariam jogar?
Eu sabia das limitações do meu filho e que a maioria dos meninos não o queria na equipa. Mas entendi que se Pedro pudesse jogar com eles, isto lhe daria uma confortável sensação de participação.
Aproximei-me de um dos meninos no campo e perguntei-lhe se Pedro poderia
jogar.
O menino deu uma olhada ao redor, buscando a aprovação dos seus
companheiros da equipa e mesmo não conseguindo nenhuma aprovação, ele
assumiu a responsabilidade e disse:
- Nós estamos perdendo por seis bolas a zero e o jogo está na 2ª parte.
Acho que ele pode entrar na nossa equipa e tentaremos colocá-lo para jogar o que restava da 2ª parte.
Fiquei admirado quando Pedro abriu um grande sorriso ao ouvir a resposta
do menino.
Pediram então que ele calçasse as chuteiras e fosse para o campo jogar.
No final da partida, a equipa de Pedro estava empatada, e o jogo ia para prolongamento. No final do prolongamento as equipas estavam empatadas. Pedro foi nomeado para continuar a jogar , para marcar penaltis.
Uma questão, porém, veio à minha mente: a equipa deixaria Pedro, de facto,
marcar penaltis nesta circunstância e deitar fora a possibilidade de ganhar o jogo?
Surpreendentemente, foi dado a oportunidade a Pedro. Todo o mundo sabia que isto seria quase impossível, porque ele nem mesmo sabia chutar a bola com força.
Porém, quando Pedro tomou posição, era o último a chutar e a decidir o jogo, o guarda-redes adversário moveu-se alguns passos para agarrar a bola chutada por Pedro, mas ela entrou no canto.
Então todo o mundo começou a gritar golo e a entoar o nome dele: Pedro, Pedro, Pedro.
Nunca na sua vida ele tinha ouvido gritar tanto o seu nome, mas saiu
dali disparado com os olhos arregalados e assustado, e foi cumprimentar todos os seus colegas.
Toda a equipa o abraçou e gritou em coro: Pedro, obrigado, e pegando nele aos ombros, ergueram-no no ar fazendo dele o herói.
"Naquele dia, disse o pai, com lágrimas caindo sobre a face, aqueles 18 meninos alcançaram a Perfeição de Deus. Eu nunca tinha visto um sorriso tão lindo no rosto do meu filho!"
O facto é verdadeiro e ao mesmo tempo causa-nos tanta estranheza.
Entretanto, há pessoas que enviam mil piadas por e-mail e elas espalham-se como fogo, mas, quando enviamos mensagens sobre algo de bom, as pessoas pensam duas vezes antes de compartilhá-las.
É preocupante que coisas grotescas, vulgares e obscenas cruzem livremente o ciberespaço, mas, se tu decidires passar adiante esta mensagem, não a enviarás para muitos da tua lista de amigos, porque não estás segura quanto ao que eles acreditam, ou o que pensarão de ti.
Mostra que estás acima de qualquer tipo de discriminação e envia esta linda e verdadeira história.
Todos precisamos de parar alguns momentos para pensar naquilo que é realmente importante na vida.
A amizade e a solidariedade nunca passarão de moda.
Basta querermos.

AS MÃOS


As mãos podem muitas coisas: oferecer apoio no momento certo, estender-se para consolar, segurar firme para amparar.
Mas o que mais podem as mãos?
As mãos saúdam, as mãos sinalizam. As mãos envolvem, dão carinho.
As mãos estabelecem limites. Escrevem. Abençoam.
As mãos desenham no ar o "adeus", o "até logo".
As mãos agasalham. Curam feridas.
Para o mudo a mão é o verbo. Para o idoso é a segurança.
Para o irascível a mão erguida é ameaça. Para o pedinte a mão estendida é súplica.
Para quem ama, a mão silenciosa, que acolhe a do ser amado, é felicidade.
Para quem chora, a mão alheia é conforto.
Há mãos que agarram, perturbadas. Há mãos que tocam, suaves. Há mãos que ferem. Há mãos que acariciam. Há mãos que amaldiçoam.
Há mãos que abençoam. Há mãos que destroem. Há mãos que edificam, trabalham, realizam.
Há pessoas que transmitem energias, através da imposição de mãos, entregando-se a essa tarefa tão bela do amor.
As nossas mãos podem exteriorizar o amor, construindo templos, hospitais e escolas, fabricando vacinas e equipamentos médicos, alimentando famintos, medicando enfermos.
Podem concretizar a paz social assinando tratados de armistício, escrevendo livros, guiando carros, pilotando aviões, varrendo ruas, tocando instrumentos musicais, pintando telas, esculpindo, construindo móveis, prestando serviços.
Podem manifestar fraternidade, ao lembrarmos da essencialidade do humano, da sensibilidade, da empatia, estendendo-as a um colega que, num dia difícil, põe-se a chorar.

AS TUAS MÃOS SÃO ABENÇOADAS FERRAMENTAS PARA A CONSTRUÇÃO DE UM MUNDO MELHOR.

USA-AS SEMPRE PARA EDIFICAR, ELEVAR, DIGNIFICAR, APOIAR, ACENAR COM A ESPERANÇA DE MELHORES DIAS.

domingo, 16 de março de 2008

AS TRÊS FRENTES DA FRAQUEZA


O que é que faz que a nossa liberdade não funcione bem? Se repararmos para dentro de nós, encontramos as mesmas causas com pequenas variantes. Por um lado, os bens atraem-nos mais do que o que deveriam. Por outro lado, tendemos a evitar os deveres que exigem um certo esforço, vulgo, preguiça. E a estas duas causas, por assim dizer, interiores ao homem, há uma causa externa que é a pressão do ambiente. Se, por um lado, pode ter efeitos benéficos e educativos, também nos pode levar a actuar contra o que a consciência nos indica, com medo a ir contra o ambiente. Vou pormenorizar.
a) a atracção desproporcionada dos bens. O próprio dos bens é atrair, pois ajudam-nos a sermos melhores. Mas acontece que, com frequência, atraem mais do que é devido e pressionam a nossa consciência: enganam-nos sobre o que nos podem oferecer, com expectativas excessivas; criam-nos dependências ou açambarcam as nossas capacidades.
Nalguns casos, são os instintos, que nos impulsionam com uma paixão desordenada, quase irresistível para os bens primários (comida, conforto, sexo, saúde, etc.). Noutros são bens a que nos afeiçoamos com o seu exercício (trabalho, dinheiro, desporto, etc.). Actuam de modo a "deseducar" os nossos sentimentos. O perigo é que, cada concessão à desordem produz o efeito de realimentação.
Todos os bens, menos os mais altos, podem chegar a ser amados excessivamente, se não estiverem submetidos à razão. Só se conserva a liberdade de decisão, quando se consegue manter sob controle a atracção desproporcionada dos bens. Para isso é necessário respeitar estritamente a ordem devida na tomada de decisões e que cada bem ocupe o seu lugar na escala de valores. São bens. O mal é a desordem com que são queridos.
b) a preguiça. É a tendência a fugir aos deveres, sentir desgosto perante o esforço que o cumprimento das obrigações reclama. Trata-se também de sentimentos "deseducados".
A preguiça é um componente habitual da nossa vida. Diminui a eficácia de todos os trabalhos e faz-se sentir logo que apareça a necessidade de um esforço: quando diminui o gosto pela novidade, quando os trabalhos se prolongam, quando se nota a resistência das coisas.
Pode dizer-se que a eficácia da vida de um homem tem muito a ver com a sua capacidade de vencer a preguiça. Não existe nada de grande nesta vida que não custe esforço. Só aquele que é capaz de vencer-se consegue realizar algo que valha a pena.
Do ponto de vista moral, a preguiça ocasiona muitos males. É causa de uma infinidade de injustiças, imperfeições, atrasos, etc. especialmente nas esferas de actividades em que existe menos aliciantes para o benefício pessoal.
Por isso há quem pense que o único modo de vencer a preguiça é aumentar os benefícios de quem trabalhar mais. Há algo de verdade nisso, mas se fosse só isso, a sociedade seria constituída por "animaizinhos amestrados" e não por homens. O verdadeiro correctivo da preguiça é o espírito de serviço: a firme decisão de orientar a actividade pessoal em serviço dos outros.
c) a pressão social. Além das duas frentes interiores de fraqueza, existe esta exterior, também designada por "respeitos humanos", medo ao ridículo, ao que vão dizer, etc.
O ambiente humano (opiniões, modos de pensar, modelos de conduta, etc.) tem uma grande influência. E não só sob a forma da educação que recebemos, mas também sob a forma de uma pressão inconsciente que se exerce sobre nós como uma força estranha, impessoal e pouco definida.
Também não se trata de um acatar a legítima autoridade: é mais uma violência impessoal que procede de leis não escritas e de autoridades não reconhecidas, que às vezes nos dominam sem que o notemos. O grande argumento é do género todos fazem o mesmo ou todos pensam assim.
As manifestações são muito variadas: não mostrar o nosso verdadeiro modo de ser; rir de um modo forçado de uma piada inconveniente; calar ou sentir-se envergonhado dos nossos princípios, da nossa religião, da nossa raça ou da nossa família; condescender com um capricho injusto de um superior; temer sustentar uma opinião diferente da maioria com temor à troça dos outros, etc.
Toda esta violência irracional condiciona a nossa liberdade. Não se trata de "querer ser diferente" (snobismo?), ou de ser "do contra" por princípio, mas de saber proteger a nossa liberdade e de sermos fiéis à verdade.

PROFECIAS - I


Se tu queres transformar o mundo, experimenta primeiro promover o teu aperfeiçoamento pessoal e realizar inovações no teu próprio interior. Estas atitudes se reflectirão em mudanças positivas no teu ambiente pessoal. Deste ponto em diante, as mudanças se expandirão em proporções cada vez maiores. Tudo o que fazemos produz efeito, causa algum impacto.
Se existe amor, há também esperança de existirem verdadeiras famílias, verdadeira fraternidade, verdadeira igualdade e verdadeira paz. Se não há mais amor dentro de ti, se tu continuas a ver os outros como inimigos, não importa o conhecimento ou o nível de instrução que tu tenhas, não importa o progresso material que alcanças, só haverá sofrimento e confusão no cômputo final. O homem vai continuar enganando e subjugando outros homens, mas insultar ou maltratar os outros é algo sem propósito. O fundamento de toda prática espiritual é o amor. Que tu o pratiques bem é meu único pedido.
Determinação, coragem e autoconfiança são factores decisivos para o sucesso. Não importa quais sejam os obstáculos e as dificuldades. Se estamos possuídos de uma inabalável determinação, conseguiremos superá-los, e independentemente das circunstâncias, devemos ser sempre humildes, recatados e despidos de orgulho.
Seria muito mais produtivo se as pessoas procurassem compreender os seus pretensos inimigos. Aprender a perdoar é muito mais proveitoso do que simplesmente tomar de uma pedra e arremessá-la contra o objecto da sua ira. Quanto maior a provocação, maior a vantagem do perdão. É quando padecemos os piores infortúnios que surgem as grandes oportunidades de se fazer o bem a si e aos outros.
A agressão é uma tendência que faz parte do nosso íntimo. Por isso, temos de lutar contra nós mesmos. Homens criados em ambientes rigorosamente não-violentos acabaram se transformando nos mais horríveis carniceiros. O que prova que a semente da mais insana agressividade mora nas profundezas de cada um de nós. Mas a nossa verdadeira natureza é de modo geral pacífica. Todos nós conhecemos as agitações da alma humana, que está sujeita a imprevistos assustadores. Mas essa não é a sua força dominante. É possível e é necessário dominar a agressividade.

O que mais nos incomoda é ver os nossos sonhos frustrados. Mas permanecer no desânimo não ajuda em nada para a concretização desses sonhos. Se ficamos assim, nem vamos em busca dos nossos sonhos, nem recuperamos o bom humor. Este estado de confusão, propício ao crescimento da ira, é muito perigoso. Temos de nos esforçar e não permitir que a nossa serenidade seja perturbada. Quer estejamos vivendo um grande sofrimento, ou já o tenhamos experimentado, não há razão para alimentarmos o sentimento de infelicidade.
A felicidade é um estado de espírito. Se a tua mente ainda estiver num estado de confusão e agitação, os bens materiais não lhe vão proporcionar felicidade. Felicidade significa paz de espírito.
É através da arte de escutar que o teu espírito se enche de fé e devoção e que tu te tornas capaz de cultivar a alegria interior e o equilíbrio da mente. A arte de escutar permite-te alcançar sabedoria, superando toda a ignorância. Então, é vantajoso dedicar-se a ela, mesmo que isto te custe a vida. A arte de escutar é como uma luz que dissipa a escuridão da ignorância. Se tu és capaz de manter a tua mente constantemente rica através da arte de escutar, não tens o que temer. Este tipo de riqueza jamais te será tomado. Esta é a maior das riquezas.
Quando estiveres praticando a caridade, faz com alegria e com um semblante radiante. Devemos praticar a caridade com um sorriso no rosto e optimismo no coração.
O aprimoramento da paciência requer a presença de alguém que deliberadamente nos faça mal. Esse tipo de pessoa nos dá a chance de praticarmos a tolerância. A nossa força interior é posta à prova com mais intensidade do que aquela de que o nosso guia espiritual seria capaz. Em essência, o exercício da paciência nos protege da perda da confiança.

A ARTE DO AMOR


Comunicação, a arte de falar um com o outro, dizer o que sentimos e pretendemos, falando com clareza, ouvir o que o outro fala, deixá-lo certo de que estamos ouvindo é, sem sombra de dúvida, a habilidade mais essencial para a criação e a manutenção de um relacionamento amoroso.
Eu digo que o mais alto nível da comunicação é o não verbal. O que quer dizer: se tu amas, mostra isto com atitudes. Faz coisas amorosas para aquela pessoa que amas. Sê atenciosa. Coloca os teus sentimentos na prática.
Oferece flores. Lembra-te das datas mais importantes. Cria os teus próprios feriados de amor. Não esperes pelo dia dos namorados.
Diz sempre ao dono do teu coração que o amas, através das tuas palavras, atitudes e gestos. Não penses que o teu par já sabe disso. Ele precisa desta afirmação.
Cumprimenta sempre o teu amor pelos trabalhos bem-feitos. Não o deprecies. Da o teu apoio quando ele falhar. Pensa que tudo o que ele faz por ti, não o faz por obrigação.
Quando tu te sentires solitária, incompreendida, deixa-o saber. Ele sentir-se-á mais forte por reconhecer que tem forças para te confortar.
Afinal, os sentimentos, quando não externados, podem ser destrutivos. Lembra-te que, apesar de o amares, ele ainda não pode ler a tua mente. Não te feches em ti mesma.
Expressa sentimentos e pensamentos de alegria. Eles dão vida ao relacionamento. É maravilhoso celebrar dias comuns, datas pessoais, como o primeiro encontro, o primeiro olhar, o dia da reconciliação depois de um breve desentendimento.
Oferece presentes de amor sem motivo. Ouve a tua própria voz a falar da tua felicidade.
Diz ao teu amor que ele é uma pessoa especial. Não deprecies os sentimentos dele. O que ele sente ou vê é a sua experiência pessoal, portanto, importante e real.
Abraça sempre. A comunicação de amor não verbal revitaliza a relação.
Respeita o silêncio do teu companheiro. Momentos de quietude também fazem parte das necessidades espirituais de cada um.
Finalmente, deixa que os outros saibam que tu valorizas quem tu amas, pois é bom partilhar as alegrias de um saudável relacionamento com os outros.
É possível que tu estejas pensando que todas estas ideias não são realmente necessárias entre pessoas que se amam. Elas acontecem de forma espontânea.
Mas, nem tanto. Nem sempre. São esses vários aspectos da comunicação que constituem o alicerce de um relacionamento amoroso saudável. Eles também produzem os sons mais maravilhosos do mundo, os sons do amor.

AUTONOMIA NAS ACÇÕES

Como costumas comportar-te diante de pessoas rudes e mal-educadas?
Importante questão esta, que nos oferece oportunidade de reflectir sobre a nossa maneira de ser, nas mais variadas situações do dia-a-dia.
É comum as pessoas justificarem as suas acções grosseiras com o comportamento dos outros, mas essa é uma atitude bastante imatura e incoerente.
Primeiro, porque, se reprovamos nos outros a falta de educação, temos a obrigação de agir de forma diferente, ou então somos iguais e de nada temos que reclamar.
E se já temos a autonomia para nos comportar educadamente, sem nos fazer espelho de pessoas mal-humoradas deveremos ter, igualmente, a grandeza de alma para desculpar e exemplificar a forma correcta de tratar os outros.
Se o nosso comportamento, a nossa educação, depende da forma com que somos tratados, então não temos autonomia, independência, liberdade intelectual nem moral para nos conduzir por nós mesmos.
Quando agimos com cortesia e amabilidade diante de pessoas agressivas ou mal-educadas, como fez o rapaz com o jornaleiro, estaremos fazendo a nossa parte para a construção de uma sociedade mais harmoniosa e mais feliz.
O que geralmente acontece, é que costumamos reflectir os actos das pessoas com as quais vivemos, sem nos darmos conta de que acabamos fazendo exactamente o que tanto criticamos nos outros.
Se as pessoas nos tratam com desprezo, com grosseria ou falta de educação, estão nos mostrando o que têm para oferecer. Mas nós não precisamos agir da mesma forma, se temos uma outra face da realidade para mostrar.
Assim, lembremo-nos sempre que, quando uma pessoa nos ofende ou maltrata, o problema é dela, mas quando nós é que ofendemos ou maltratamos, o problema é nosso.
Por isso, é sempre recomendável uma acção coerente avalizada pelo bom senso, ao invés de uma reacção impensada que poderá trazer consigo grande soma de dissabores.
Pensa nisso.
Se te oferecem grosseria, faz diferente: sê cortês. Se te tratam com desprezo, responde com amabilidade. Se te dão indiferença, dá atenção. Se te oferecem mau humor, retribui com gentileza. Se te tratam com rancor, responde com ternura.
Se te presenteiam com o ódio, anula-o com o amor. Agindo assim, tu serás realmente grande, pois quanto mais alguém se aproxima da perfeição, menos a exige dos outros.

APROVEITAR A VIDA


Tu aproveitas a vida?
É muito comum ouvir as pessoas, e principalmente os jovens, dizerem o que querem aproveitar da vida. E isso geralmente é usado como desculpa para se eximirem de assumir responsabilidades. Mas, afinal de contas, o que é aproveitar a vida?
Para uns é matarem-se aos poucos com as comidas, bebidas alcoólicas, fumo e outras drogas. Para outros é arriscar a vida em desportos perigosos, noitadas de orgias, consumirem-se nos prazeres carnais. Talvez isso se dê porque muitos de nós não sabemos porque estamos na Terra. E por essa razão desperdiçamos a vida em vez de aproveitá-la. É investir os minutos preciosos que temos em actividades úteis e engrandecedoras. Quando dedicamos as nossas horas na convivência salutar com os familiares, com quem amamos, estamos a aproveitar bem a vida. Quando fazemos exercícios, nos distraímos no lazer, na descontracção saudável, estamos dando valor à vida. Quando estudamos, trabalhamos, passeamos, sem nos intoxicar com drogas e excessos de toda ordem, estamos aproveitando de forma inteligente as nossas existências. Quando realmente gostamos de alguma coisa, fazemos esforços para preservá-la.
Assim também é com relação à vida. E não nos iludamos de que a estaremos aproveitando acabando com ela. Se tu és partidária desta ideia, vale a pena repensar com seriedade em que consiste o aproveitamento da vida. E se tu achas que os vícios te pouparão a existência, visita alguém que se está despedindo dela graças a um cancro de pulmão, provocado pelo cigarro. Conversa com quem entrega as forças físicas a uma cirrose hepática causada pelos alcoólicos. Ouve um guloso inveterado que se encontra no cárcere da dor por causa dos exageros na alimentação. Visita um infeliz que perdeu a liberdade e a saúde para as drogas que lhe consomem lentamente.
Observando a vida através desse prisma, talvez tu mudes o teu conceito sobre "aproveitar a vida"
A vida é um poema de beleza cujos versos são constituídos de propostas de luz escritas na partitura da natureza, que te exalta a presença em toda parte.
Por consequência, a oportunidade da existência física constitui um quadro à parte de encantamento e conquistas, mediante cuja aprendizagem o espírito se embeleza e alcança os altos planos da realidade feliz.

A PAZ QUE TRAGO NO MEU PEITO


A paz que trago hoje no meu peito é diferente da paz que eu sonhei um dia...
Quando se é jovem ou imaturo, imagina-se que ter paz é poder fazer o que se quer, repousar, ficar em silêncio e jamais enfrentar uma contradição ou uma decepção.
Todavia, o tempo vai nos mostrando que a paz é resultado do entendimento de algumas lições importantes que a vida nos oferece. A paz está no dinamismo da vida, no trabalho, na esperança, na confiança, na fé, entre outras coisas. Ter paz é ter a consciência tranquila, é ter a certeza de que se fez o melhor ou, pelo menos, se tentou.Ter paz é assumir responsabilidades e cumpri-las, é ter serenidade nos momentos mais difíceis da vida. Ter paz é ter ouvidos que ouvem, olhos que vêem e boca que diz palavras que constroem. Ter paz é ter um coração que ama. Ter paz é brincar com as crianças, voar com os passarinhos, ouvir o riacho que desliza sobre as pedras e embala os ramos verdes que nas suas água se espreguiçam. Ter paz é não querer que os outros se modifiquem para nos agradar, é respeitar as opiniões contrárias, é esquecer as ofensas. Ter paz é aprender com os próprios erros, é dizer não quando é não que se quer dizer. Ter paz é ter coragem de chorar ou de sorrir quando se tem vontade. É ter forças para voltar atrás, pedir perdão, refazer o caminho, agradecer. Ter paz é admitir a própria imperfeição e reconhecer os medos, as fraquezas, as carências.
A paz que hoje trago no meu peito é a tranquilidade de aceitar os outros como são, e a disposição para mudar as minhas próprias imperfeições.
É a humildade para reconhecer que não sei tudo e até aprender com os insectos.
É a vontade de dividir o pouco que tenho e não me aprisionar ao que não possuo.
É melhorar o que está ao meu alcance, aceitar o que não pode ser mudado e ter lucidez para distinguir uma coisa da outra.
É admitir que nem sempre tenho razão e, mesmo que tenha, não lutar por ela.
A paz que hoje trago no meu peito é a confiança.
A certeza da vida futura e a convicção de que receberei, das leis soberanas da vida, o que a elas tiver oferecido.
Às vezes, para manter a paz que hoje se encontra no nosso peito, é preciso usar um poderoso aliado chamado silêncio.
Devemo-nos lembrar de usar sempre o silêncio quando ouvimos palavras infelizes.
Quando alguém está irritado. Quando a ofensa nos golpeia. Quando alguém se encoleriza. Quando a crítica nos fere. Quando ouvimos uma calúnia. Quando a ignorância te acusa. Quando o orgulho te humilha. Quando a vaidade te provoca.
O silêncio é a gentileza do perdão que se cala e espera o tempo, por isso é uma poderosa ferramenta para construir e manter a paz.

CALAR A DISCÓRDIA


A harmonia plena ainda constitui um sonho distante de qualquer organização humana. Os homens guardam grandes diferenças entre si. Diversos factores induzem a distintas formas de entender e viver a vida.
A educação recebida no lar, as experiências profissionais e afectivas, os professores e os amigos.
Todos esses elementos contribuem para a singularidade da personalidade humana.
A diversidade produz a riqueza.
Se todos os homens pensassem do mesmo modo, o marasmo e a mesmice tomariam conta do mundo.
Uma assembleia ou equipa composta de forma heterogénea possui grande potencial.
Ocorre que conviver em harmonia com o diferente pressupõe maturidade.
Em qualquer género de relacionamento humano, é necessário respeitar o próximo. Mas é preciso também manter o foco num objectivo maior. Toda a associação humana possui uma finalidade.
No âmbito profissional, busca-se o crescimento no qual se participa.
Na esfera familiar, colima-se a educação e o preparo dos seus membros para a vida, num contexto de dignidade.
Numa associação filantrópica, tem-se por meta a prática do bem.
A noção clara do objectivo que se persegue facilita a convivência.
O facto de alguém discordar das suas ideias não significa que esteja contra ti.
O relevante é verificar qual o modo mais eficiente de atingir a meta almejada pelo grupo. A convivência humana raramente deixa de produzir algum atrito.
Mas é preciso saber calar a discórdia.
Se o embate de ideias e posições não é mau, a agressividade e o radicalismo sempre o são.
Pensa sobre as instituições que tu integras ou podes vir a integrar.
A tua presença em tais ambientes visa o interesse colectivo, ou à exaltação do teu ego? É melhor afastares-te delas do que, por mesquinhez, seres causa de desestabilização, zangas e brigas. Mas o ideal é aprender a sacrificar o teu interesse pessoal em prol de uma causa maior.
Se uma controvérsia surge, reflecte com serenidade sobre os pontos de vista envolvidos.
Caso a tua posição não seja defensável, abdique dela.
Procura ser um elemento pacificador nos meios em que te movimentas. Certas posturas são toleráveis apenas em pessoas muito jovens.
Na maturidade, a rebeldia e a vaidade sistemáticas são ridículas.
Não canses os teus semelhantes, com posições inflexíveis e injustificáveis. Aprende a ceder e a compatibilizar, quando isso não comprometer a tua honestidade e a tua ética.
De que te adianta vencer um debate, se a causa que tu defendes sofre com isso?
O homem sábio identifica quando deve avançar e quando deve recuar. Mas sempre o faz de forma sincera e digna. De nada adianta afectar concordância e semear a discórdia nos bastidores. A dissimulação e a intriga são indignas de uma pessoa honrada. Reflecte sobre isto, quando te vires envolvido em debates e contendas. Quando te engajar numa causa, serve-a com desinteresse. Jamais te permitas servires-te dela para aparecer. Mas principalmente nunca a prejudiques por radicalismo e imaturidade.